redutores de velocidade em condomínios

A importância de redutores de velocidade em condomínios horizontais

Assim como nas ruas, os condomínios possuem regras de trânsito. Essas são essenciais para manter a organização e evitar os acidentes dentro desses locais com entrada e saída controladas. No caso dos condomínios horizontais, uma boa solução nesse sentido são os redutores de velocidade.

Os redutores de velocidade em condomínios fazem com que os condutores sejam obrigados a reduzir a velocidade e, por isso, contribuem significativamente para a segurança de todos os moradores.

Como funciona a legislação de trânsito para os condomínios horizontais

Toda a regulamentação de trânsito é controlada pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Nele constam as condutas que os motoristas e seus veículos devem seguir nas vias terrestres, urbanas e rurais.

Essas normas regem as infrações, penas e tudo que envolve as multas, radares, sensores e placas. Tudo isso também vale em condomínios horizontais.

As multas podem ser aplicadas pela administração do próprio condomínio, com as provas devidas. Caso o morador sinta-se prejudicado ou tenha verificado algum erro, é necessário contar com o auxílio da polícia.

Somente as forças policiais podem verificar a veracidade dos fatos para indicar qual dos lados está com a razão. Caso seja indicada a infração, o condomínio pode prosseguir com a tarifa e a multa.

Todos os radares, placas e vagas, dentro de um local privado, devem ser desenvolvidos por um engenheiro especializado em tráfego e, posteriormente, passar pela aprovação do Detran da região onde está localizado.

A decisão pelo pedido deve ser deliberada em assembleia, onde os moradores se reúnem para decidir os termos da convivência dentro da localidade. Para o bem de todos as normas regulam a convivência, a fim de garantir que as atitudes de uns não interfiram na vida dos demais.

Os indivíduos que não respeitam as legislações de trânsito podem provocar danos irreversíveis na vida de terceiros. Por esse motivo, a maioria dos condomínios horizontais possuem essas normativas vigentes.

Crescimento da compra de casas e apartamentos em condomínios privados

Os condomínios se diferem entre verticais, que são os prédios e apartamentos, e horizontais, que consistem em residências dentro de uma mesma propriedade. Ambos são cada vez mais comuns nas grandes cidades.

A falta de segurança e aumento da violência fez com que a procura por esse tipo de moradia crescesse a passos largos. Segundo o Sindicato da Habitação (Secovi-SP), em 2018, a compra de imóveis em condomínios cresceu mais de 100%, em comparação com 2016.

Além do quesito segurança, o conforto também é levado em conta pelos compradores. Isso porque muitos desses espaços possuem áreas de lazer, como piscinas, recreação infantil e outras atividades focadas no entretenimento de pessoas de todas as idades.

Os acidentes dentro dos residenciais

Com a maior procura, esses residenciais tornam-se locais lotados de pessoas e veículos. Esse fator tem aumentado o número de acidentes, como ocorreu com uma jovem em um condomínio de luxo em Bragança Paulista.

Uma motorista morreu após chocar-se contra uma árvore. Além disso, ainda deixou 4 moradores feridos. Segundo as testemunhas, o carro estava em alta velocidade e desrespeitava o limite permitido.

Infelizmente, em decorrência da falta de fiscalização e desinformação das autoridades responsáveis pelo condomínio, isso tem se tornado cada vez mais frequente.

Como evitar esse tipo de fatalidade

Para reduzir o número de infrações de trânsitos os redutores de velocidade podem ser instalados nesses locais. Eles também dependem da criação de um projeto de engenharia e aprovação do órgão fiscalizador.

Os mais utilizados são: medidores eletrônicos de velocidade, lombadas e tachões refletivos. Vale salientar que a utilização desses itens sem a aprovação prévia é irregular e pode causar sanções.

A conscientização dos moradores é a melhor forma de adequá-los a essa implantação. Palestras e reuniões podem ajudar na conscientização sobre a direção segura e os riscos da falta desse prática dentro dos condomínios horizontais.

Como você viu é comum que se interprete que as vias internas dos edifícios representem áreas independentes das vias públicas e é preciso uma educação de transito interna para os condôminos para evitar acidentes como citados acima. Veja também como é regida as demais Leis no condomínio para convivência compartilhada.

 

 

Commentários (0)
Postar um comentário

Commentários (0)
Postar um comentário