tipos de gestão de condomínio

Tipos de Gestão de Condomínio: Qual é a Seu?

Para que a administração condominial sejam bem estruturada e capaz de garantir o pleno funcionamento das edificações, é preciso o melhor modelo de acordo com os tipos de gestão de condomínio existentes.

Para que seja realmente eficiente e proporcione tranquilidade aos moradores, ao mesmo tempo reduzindo custos, esse gerenciamento deve ser diferente para cada tipo de empreendimento, estrutura e perfil dos moradores.

Tipos de gestão de condomínio

Para auxiliar condôminos e gestores na escolha do melhor modelo de administração, listamos os principais tipos de gestão de condomínio. Confira:

Autogestão de condomínio

A autogestão acontece por meio de um síndico morador eleito por condôminos em assembleia extraordinária. Nesse modelo, os próprios moradores desenvolvem as tarefas administrativas, sem o auxílio de terceiros.

A responsabilidade legal fica por conta do síndico, que conta com a ajuda de conselheiros, também eleitos em assembleia.

Esse tipo de gestão é indicada para condomínios de menor porte. Isso porque o síndico é responsável por uma série de atividades, como: prestação de contas, contratação de funcionários e prestadores de serviço, administração financeira e contábil, orçamentos e demais rotinas do dia a dia.

Autogestão assistida

Nesse modelo, o síndico conta com a assessoria de empresas terceirizadas. Enquanto ele e o conselho fiscal ficam com as tarefas internas do condomínio, como movimentação financeira e otimização de custos, as empresas se responsabilizam pela administração externa.

Entre as atividades da contratada estão revisar contratos, fazer cotações de fornecedores e equipamentos e fornecer assessoria tributária, trabalhista e fiscal. Porém, a responsabilidade legal permanece por conta do síndico.

Gestão com administradora

Esse tipo de gestão de condomínio tem como característica a contratação de uma administradora de condomínios para cuidar das atividades administrativas.

O síndico, nesse caso, permanece como representante dos moradores, porém atua na fiscalização dos serviços realizados pelas administradoras.

Essas podem convocar e realizar assembleias, elaborar a previsão orçamentária, pagar despesas condominiais, controlar a contabilidade, contratar funcionários e cuidar de folhas de pagamento.

Os documentos devem estar sempre atualizados, já que podem ser solicitados para conferência em qualquer momento, seja pelo síndico ou conselho fiscal.

Funciona como um braço direito do síndico, esse tipo de gestão oferece uma gama de serviço que traz mais tranquilidades para os condôminos e ao síndico.

Gestão com síndico profissional

Um síndico profissional têm as mesmas responsabilidades de um síndico morador, porém é contratado exclusivamente para representar os condôminos.

Esse tipo de gestão de condomínio tem como principal vantagem a presença de um profissional experiente, que conhece todas as atividades e processos necessários para o pleno funcionamento dos empreendimentos.

Importância da gestão ir de encontro ao perfil dos moradores

Como comentamos no início do artigo, para que seja assertiva, a gestão de condomínio deve corresponder ao perfil dos moradores e as suas necessidades. Do contrário, pode haver insatisfação com a administração, conflitos e prejuízos a todos os envolvidos.

Para saber a melhor maneira de gestão para o seu condomínio, é preciso analisar as características dos condôminos e, a partir daí, desenvolver os processos de acordo com elas.

Entre os perfis de moradores estão os idosos, as famílias com crianças pequenas, aqueles que acompanham de longe a administração, mas cumprem seu papel de forma adequada, os “barulhentos”, os colaboradores e os que “não perdem” um conflito.

Cabe ao síndico detectar quem é maioria no empreendimento e, assim, tomar o melhor caminho. Porém, independentemente das características citadas acima, é essencial manter uma administração humanizada e realmente preocupada com o bem estar coletivo.

O que qualquer condômino busca hoje são menos processos burocráticos e mais relacionamentos éticos e transparentes.

Portanto, é papel do síndico promover a integração entre todos os interessados, proporcionar relações harmônicas e colaborativas e incentivar o espírito coletivo.

Boas práticas de gestão condominial

A gestão de condomínio deve ser encarada com seriedade e profissionalismo, sendo o síndico especializado ou não. Pelo fato da rotina condominial ser composta por inúmeros processos e condutas a serem seguidos, isso se torna um verdadeiro desafio.

Para que a gestão seja o mais facilitada possível, veja agora algumas dicas de boas práticas que podem ser implementadas em qualquer modelo de administração:

  • organizar as atividades por meio de check lists que contenham as tarefas a serem realizadas por cada responsável pela gestão condominial;
  • acompanhar de perto a performance de funcionários, promover treinamentos e propiciar integração entre todos os colaboradores;
  • trabalhar online e offline, contando com a comunicação tradicional e os canais digitais, que se aproximam da realidade atual da maioria dos condôminos;
  • buscar especializações constantes na área de gestão condominial e estar a par das tendências;
  • conduzir as assembleias de forma que com sejam eficientes e, ao mesmo tempo, tenham leveza;
  • traçar objetivos e metas para a gestão de condomínio;
  • priorizar a harmonia e os bons relacionamentos;
  • se comunicar de forma próxima e transparente com os condôminos.

Esperamos que a nossa leitura de gestão de condomínio tenha auxiliado você a compreender melhor os modelos de administração para que possa fazer a melhor escolha.

Se desejar manter-se mais atualizado acompanhe também quais os principais desafios para o síndico na gestão do condomínio.

 

 

Commentários (0)
Postar um comentário

Commentários (0)
Postar um comentário